quinta-feira, 29 de março de 2012

OP Orçamento Participativo, não deixem de ir

A partir desta segunda-feira (12), começa uma nova fase do Orçamento Participativo de 2013. Serão realizadas reuniões preparatórias, em 20 regiões da cidade, com lideranças comunitárias, conselheiros do OP, agentes comunitários de saúde e moradores.

Esses encontros, como o próprio nome diz, são preparatórios para as plenárias deliberativas a partir de 23 de abril, quando a população vai aprovar onde e como investir recursos municipais.

O calendário do Orçamento Participativo de 2012 foi elaborado da seguinte forma. Em primeiro lugar, reuniões com seis segmentos da sociedade, como empresários, sindicatos e terceiro setor. Em segundo, encontros preparatórios, em 20 locais diferentes de São Bernardo, com lideranças, conselheiros, agentes de saúde e moradores. E, por último, a partir de 23 de abril, as plenárias deliberativas, nas quais a população escolhe e aprova onde e como serão investidos recursos municipais.

A primeira reunião do OP 2013 contou com a participação de cerca de 400 pessoas no Centro de Referência do Idoso (CRI), na região central de São Bernardo. Nesse encontro, o prefeito deu detalhes sobre o funcionamento do Orçamento Participativo e como as demandas escolhidas como prioridade pela população no OP de 2010 foram incorporadas ao orçamento de 2011. Os participantes das sociedades de bairro falaram sobre as demandas que estão sendo executadas em São Bernardo.

"Essa participação começou lá atrás, ainda em 2009, com a realização de 29 plenárias e que resultaram na elaboração do Plano Plurianual Participativo (PPA) 2010-2013. Em 2010 organizamos com sucesso as plenárias deliberativas do Orçamento Participativo, que é bianual, e esse ano começamos a nos preparar para o OP 2013", explicou o chefe do Executivo.

Ele esclareceu ainda que o Orçamento Participativo dá transparência a todas as ações de governo, pois promove uma discussão não só das demandas apresentadas pela comunidade, mas de todas as ações da Administração. Ele também convocou a população a participar das reuniões preparatórias e, depois, das plenárias do OP.

Em 2010, o Orçamento Participativo contemplou 58 demandas aprovadas nas plenárias deliberativas e teve investimento de R$ 504 milhões, o que correspondeu a 16,8% do total do orçamento da cidade.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Só rumores, CLM de verdade não voltou

O Centro Livre de Musica, um espaço adquirido e voltado a músicos, ficou um ano sem atividades, agora volta com uma estratégia barata e é o que não tinhamos anteriormente.
Enquanto na CLM ( Centro Livre de Musica ) havia aulas de Teoria Músical (harmonia, melodia, ritmo, história da música) aulas de saxofone, clarinete, flautas doce e transversal, bateria, violão, trumpet, trombone, guitarra, baixo, piano,  percussão todos com mestres ótimos, em outras unidades como no teatro Elis Regina eram dados aulas de violáo, canto, acordeon, viola caipira... Em verdade, no CLM era dado o maior conteúdo de artes musicais.
Além do CLM ser o aconchego e casa da Banda Sinfônica Municipal de São Bernardo do Campo que hoje morre por falta de apoio do próprio município... A Banda tem muitos se aposentando, são anos e anos de trabalho para o município, hora de ter uma reforma, mas não acabar com ela...Eu tocaria com a banda...
Em fim , retiraram os órgãos musicais que tinham nos teatros espalhados pela cidade, e colocaram no CLM, fazendo ela funcionar, mas não como deveria.... tem música? tem... mas não como antigamente , pois sem Teoria Músical (harmonia, melodia, ritmo, história da música) aulas de saxofone, clarinete, flautas doce e transversal, bateria, violão, trumpet, trombone, guitarra, baixo, piano,  percussão, não é a CLM voltando.
Sr Secretário da Cultura, se não for abrir o CLM aqui no Teatro Martins Pena, abra-o logo em um outro local.
Informaram-me que muitos São-bernadenses reclamavam do espaço que o Martins Pena nos proporcionava... absurdo comparar o CLM com uma Fundação das Artes de São Caetano do Sul, pois não o é... pode devagar dar a mesma consistência que a FASCS, mas é para mais distante a longo prazo.
Sr Secretario da Cultura, vc cedeu este espaço que era para os músicos sérios e centralizou as artes musicais que estavam em outros locais no CLM, mas ainda fica a falta e descaso, não para os que estavam estudando nos outros pontos, mas para os músicos que estavam lá no CLM.


Musica é uma das mais belas artes que existe, a mais sublime assim disse Chico Xavier e hoje vi uma moça que na mesa estava fazendo a matricula para violão quando o seu celular tocou e ela disse ao telefone " Estou fazendo matricula para violão... necessito em minha vida mais de cultura, artes do que uma terapia, por esse motivo estou fazendo matrícula"

Quero saber onde estão os 22 milhões destinados a cultura SR Frank Aguiar!