segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Carnaval irá dar um atraso no espetáculo "Os 120 dias de Sodoma"

Atenção: Devido o feriado de Carnaval, não haverá apresentação do espetáculo "Os 120 dias de Sodoma" na sexta (04) no Espaço do Satyros II. Voltaremos em cartaz dia 11 de março até dia 29 de julho  as sextas-feiras ás 21 horas.


                                                                    Mariana França

Inspirado no romance do Marquês de Sade, a montagem, que contou com críticas favoráveis da imprensa e grande adesão do público, esta em cartaz desde maio de 2006. O espetáculo trata de questões filosóficas e políticas colocadas pela obra sadeana, em um contexto brasileiro de corrupção e decadência das instituições sociais.
Texto: Rodolfo García Vázquez, a partir da obra homônima do marquês de Sade Direção: Rodolfo García Vázquez Elenco: Angrey Fiel, Antonio Revuelta, Carolina Angrisani, Danilo Amaral, Eduardo Chagas, Eduardo Prado, Fabrício Castro, Gabriela Cerqueira, Gisa Guttervil, Heitor Saraiva, Lino Reis, Marcelo Jacob, Mariana França, Marta Baião, Milton Fucci, Patrícia Santos, Rafael Mendes, Samira Lochter, Tainah Brandão, Vinícius Guarilha, Wellington Garcia.
Estréia dia 18 de Fevereiro (sexta)
Até 29 de Julho, sextas, às 21h
Espaço dos Satyros Dois
Praça Roosevelt, 214 (Centro) Tel: (11) 3258-6345
Ingressos: de R$ 5,00 (oficineiros do satyros) 15,00 (estudantes e classe artistica) a R$ 30,00 (inteira)



De Minha amiga Mariana França, teatróloga de São Bernardo do Campo

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Fabricio Ramos

Agora Fabricio Ramos e Banda se apresenta no dia 14/05/2011 em São Bernardo do Campo. Conheçam mais um pouco deste grande músico e compositor.




Fabricio Ramos Leandro nasceu em Triunfo – Pernambuco. Aos 7 anos de idade já se mostrava interessado pela música, quando tocou os seus primeiros acordes. Aos 8 anos de idade mudou-se para Recife deixando a música de lado e só retomando aos 18 anos, quando ganhou o seu primeiro violão. A partir daí, com várias poesias prontas, começou a musicá-las, enquanto frequentava ambientes culturais e tocava violão na praia de Boa Viagem, na capital pernambucana. Isso resultou em um CD ( todo autoral ) de 12 faixas gravado em Recife, no ano de 2004, de forma independente e com uma ótima banda de apoio. Mesclando a Música Popular Brasileira, sua maior influência, com vários outros estilos desde o Rock, Blues, Folk, Frevo e o verdadeiro Forró, Fabrício retrata um caldeirão de ritmos. Suas músicas viajam em várias vertentes. Algumas com grande toque de amor e outras que falam da realidade do nosso povo e dos problemas sociais que afetam o cotidiano, como preconceito, drogas, política, fome, etc. Fabricio iniciou sua carreira internacional com show na cidade de Hamamatsu em 01 de julho de 2007 e divulgação em programa de tv para todo o Japão.Em 26 de Abril de 2008, assoprou as velas junto com a 1° Radio Web de São Bernardo do Campo no palco como:.Neste dia estavam ilustres pessoas como:  Diego Leocadipo, Bocato, Regina Brasil, Walter Sky, Mangolin, que embora não toca, mas éra o CARA, pois imagina, estava todo de branco com um chapéu de grande estilo Atualmente, Fabrício vive em São Paulo e já está na pré-produção de um segundo CD que ainda não tem data para o lançamento.


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

para quem vai tocar o carnaval. toquem a vontadade


Ana de Hollanda promete “portas abertas” a Pontos de Cultura, após reunião

Por Anselmo Massad*
Em reunião com membros da Comissão Paulista dos Pontos de Cultura, nesta terça-feira 22, em Brasília, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, prometeu manter portas abertas para o movimento. A reunião não constava da agenda oficial divulgada pela pasta mas durou uma hora, durante a qual os ativistas pediram celeridade para normalização de repasses de verbas de convênios, bolsas e prêmios do programa Cultura Viva. Eles também pedem que esse processo ocorra de modo transparente.
Dispostos a uma “ocupação pacífica” da sede do ministério, 50 integrantes da Frente Paulista dos Pontos de Cultura chegaram à capital federal na manhã desta terça. A reivindicação é de uma postura clara sobre a continuidade do programa e a respeito de como será feito o pagamento dos recursos atrasados. Até então, apenas uma reunião – convocada com menos 24 horas de antecedência – havia sido realizada entre representantes de Pontos de Cultura e Ana de Hollanda.
“As portas estão abertas, seja o que for preciso, nós estaremos aqui sim”, disse Ana de Hollanda, segundo o coletivo Nós Digitais. O grupo acompanhou a reunião no Twitter. Ela pediu um pacto do diálogo, crédito e confiança, alegando que, a exemplo das demandas dos pontos de cultura, “toda a agenda está atrasada”. O encontro foi transmitido ao vivo pela Twitcam.
Para Marcos Pardim, membro da comissão Paulista dos Pontos de Cultura, a reunião foi uma vitória porque representa uma ação de pessoas envolvidas no programa Cultura Viva sem a participação do MinC. Um ônibus partiu de Itu (SP) até Brasília. Ele acredita que o fato de Ana de Hollanda ter recebido os ativistas é uma demonstração de força do movimento.
“Para nós, esse começo de administração da nova equipe do MinC está muito ruidosa”, admite Pardim. “O que queremos saber é o que é ruído, versão e o que é verdade”, insiste. “O fato de a ministra ter nos recebido foi muito bom. Mas, quando recebermos o que o MinC nos deve, será ótimo”, ironiza Pardim.
Cultura Viva – Embora Ana de Hollanda tenha se comprometido a manter as políticas do programa Cultura Viva, cujo principal expoente são os Pontos de Cultura, várias das iniciativas selecionadas manifestam preocupação sobre o futuro. Daniel Marostegan, do Pontão Teia Casa de Criação, de São Carlos (SP), avalia que há “insegurança” por conta da falta de diálogo.
Segundo Pardim, os atrasos nos repasses de verbas ocorrem desde o fim do ano passado, em relação a grupos por todo o país. Segundo pesquisa realizada pela Frente Paulista no Portal da Lei de Diretrizes Orçamentárias, dos R$ 205,3 milhões autorizados para serem gastos pelo programa Cultura Viva (Programa 1.141 do MinC), apenas R$ 14,4 milhões e R$ 70,99 milhões foram empenhados.
Desde o início da gestão de Ana de Hollanda, medidas administrativas e declarações têm sido motivo de apreensão por ativistas ligados a movimentos de cultura e cultura digital. Em janeiro, houve grande polêmica envolvendo direitos autorais e a adoção de licenças livres, em função da retirada da licença Creative Commons do site do ministério.
*Matéria publicada originalmente na Rede Brasil Atual

Escolas Estaduais e Municipais de São Bernardo do Campo/SP

Escolas Estaduais e Municipais de São Bernardo do Campo/SP

Gostaria de cifrar o nome da EMEB Alfredo Scarpelli (antiga EMEB do Jardim Thelma). A escola em abril de 2008 foi dado o nome a toque de caixa de uma pessoa que nunca foi um educador. Educadores interessantes e de nome na cidade, ficam para trás, por apenas ter um vendedor de mixiricas e cebolas e que nem Sambernadense era, em Praças, Ruas, Escolas.
Peço a retirada de nomes que não fizeram parte da educação sambernadense de escolas como a que citei...

O mais interessante é que nem o prefeito e nem festa de inauguração foi dado...os professores ficaram sabendo da mudança do nome apenas no final do 2° semestre, e , só em 2009 meados de fevereiro que assumiram o nome.

Professores não gostaram e nem os alunos, principalmente quando puxaram a biografia dele.

A mesma coisa acontece com o que eu chamo de Poliesportivo São Bernardo.do Campo, foi dado um nome a toque de caixa e para puxar o saco do avô do prefeito., que nada foi para o esporte e nem para São Bernardo do Campo, e com tudo isso, eu lamento muito que nós cidadãos não temos o poder de tirar o nome dado ao Deus dará.